Curta nossa pagina no Facebook. Basta clicar no botão CURTIR

Powered By | Blog Gadgets Via Blogger Widgets

Barra noticias

Barra galeria de fotos

Barra esportes

Barra entretenimentos

Barra cinema

Barra saude e bem estar

Manipulação de resultados no futebol da PB será investigada pelo STJD

prffutpbO Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) também vai investigar uma suposta manipulação nos resultados dos jogos do Campeonato Paraibano de Futebol. O escândalo da possível fraude veio à tona na última segunda-feira (9) com a deflagração da Operação Cartola pela Polícia Civil e Grupo de Atuação Especial sobre Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPPB).

 

O procurador-geral do órgão, Felipe Bevilacqua, expediu um ofício Gaeco e à Polícia Civil da Paraíba solicitando, em caráter de urgência, informações e todos os documentos que forem pertinentes ao caso no prazo máximo de três dias.

 

De acordo com a assessoria do STJD, a manipulação de resultados está prevista no código da Fifa e compete ao Supremo investigar e, se necessário, julgar e punir infrações.
Por isso, foram solicitadas informações para saber se houve e que tipo de infração. Somente após recebimento dos documentos e informações é que serão divulgados os próximos passos da investigação.

 

Relembre o caso

 

A operação denominada “Cartola” foi deflagrada na última segunda (9), envolvendo a Federação Paraibana de Futebol, a Comissão Estadual de arbitragem, Dirigentes dos Clubes de futebol da Paraíba e estado e, inclusive, participação do TJD/PB em um esquema de Manipulação de Resultados, adulteração de documentos, interferência de em decisões da Justiça Desportiva e desvio de valores.

 

O Superintendente da Polícia Civil, Marcos Paulo, e o delegado Lucas Sá, da Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa, confirmaram que 80 pessoas estão sendo investigadas na Operação.

 

Os responsáveis pela investigação confirmaram que os líderes do suposto esquema eram os dirigentes dos clubes envolvidos, em conjunto com a Federação Paraibana de Futebol (FPF). No entanto, ainda não há elementos que comprovem a participação de todos eles, por isso a Justiça decidiu manter detalhes da investigação em sigilo.

 

Portal Correio