Previous
Next
Previous
Next

Acusados de matar Vivianny dizem que foram torturados pela polícia

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Os acusados de matar Vivianny Crisley, Fagner das Chagas Silva e Jobson Barbosa da Silva Júnior, alegaram que foram torturados para confessar que teriam cometido o crime. Jobson disse que a tortura ocorreu na Central de Polícia do Geisel, em João Pessoa, e que o delegado o obrigou a ingerir bebida alcoólica e que teve um objeto penetrado no ânus. Porém, ele não disse quem era o delegado. Já Fagner também alegou ter sido torturado, mas não deu detalhes. Porém, a Promotoria do Ministério Público da Paraíba disse que laudos médicos comprovam que não houve tortura.

“A gente saiu do Bebericos e fomos procurar um bar em Bayeux, mas não achamos nenhum aberto. Fomos para minha casa e Allex deixou a gente, eu e Fágner, em casa. Depois ele saiu com ela. Quando voltou, olhou para mim e disse que tinha matado ela”, relatou Jobson durante o depoimento.

Além de negar que houve tortura, a Promotoria alegou ainda que os três são “assassinos homicidas sem apego à vida humana e que mataram Viviane porque ela gritou”. Conforme o MPPB, as provas nos autos provam claramente a participação do Fagner e do Jobson em todo o crime.

Os dois alegaram durante o julgamento que não conheciam Vivianny e que a conheceram naquele dia, no bar. Eles também negaram participação no crime.

O julgamento está acontecendo na tarde desta quarta-feira (16).

Portal Correio