Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Amazon, Alibaba e Mercado Livre podem disputar compra dos Correios

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Os funcionários dos Correios continuam em greve para garantir direitos, ao passo que o presidente Jair Bolsonaro segue no processo de privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A estatal pode ser vendida a nomes de peso do segmento, como Amazon, Alibaba – grupo dono do AliExpress – e Mercado Livre.

Vale lembrar que os Correios desempenham um papel central no que diz respeito à logística do Brasil e, agora, mais do que nunca, para o e-commerce, já que o setor viu suas vendas aumentarem em meio à pandemia do coronavírus, contexto que também impossibilitou outros tipos de entregas – como as retiradas em lojas físicas – por conta do isolamento social.

“Por parte das empresas que estão tanto no mercado de entregas, a UPS dos Estados Unidos já manifestou interesse, quanto para as empresas que são gigantes do comércio eletrônico, como é o caso da Amazon, que domina o mercado, e a Alibaba, que é a principal empresa de comércio eletrônico na China”, analisou Jonas Valente, doutor em Sociologia da Tecnologia, pesquisador e professor da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB).

A união entre a Amazon e o Alibaba para a compra dos Correios é um movimento especulado há algum tempo. No entanto, o portal especializado E-Commerce Brasil sugeriu que o Mercado Livre, fundado na Argentina, também já cogitou comprar a estatal.

Visto que o e-commerce brasileiro é dominado pelo Mercado Livre, Magazine Luiza, Via Varejo – responsável pelas redes de lojas Casas Bahia e Pontofrio – e B2W, fusão entre Americanas e Submarino, de acordo com Valente, “todas essas empresas brasileiras estariam em risco caso uma gigante norte-americana ou chinesa viesse competir vendendo os mesmos produtos”.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), revelou que os dados dos Correios mostraram que, no ano passado, 52% da receita da estatal foi fruto da entrega de encomendas, enquanto os 48% restantes correspondem ao monopólio postal de envio de cartas.

 

Via: Brasil de Fato