Previous
Next
Previous
Next

Após divergência política, André Marinho e Tomé Abduch brigam no ‘Pânico’

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Devido a uma divergência política, o comentarista André Marinho e o presidente do movimento Nas Ruas, Tomé Abduch, brigaram durante a exibição do programa Pânico, da Jovem Pan, nesta terça-feira, 11. Momentos antes da confusão, Marinho contestou a atuação de Abduch na liderança do Nas Ruas e questionou o apoio dele ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Após uma troca de ofensas, ambos partiram para o confronto físico. A diretoria da Jovem Pan lamenta o ocorrido e informa que tomará as providências necessárias.

“Eu apoiei Arthur Lira nas eleições da Câmara porque um homem precisa tomar lado. Quando é preciso tomar uma decisão, poucos homens o fazem – a maioria fica em cima do muro jogando pedras em todo mundo. Na ocasião, eu cometi o erro de ir à festa de comemoração da vitória de Lira, mas estava feliz porque ele comprometeu-se a aprovar as reformas. Durante o evento, a Joice Hasselmann me disse: ‘Você está apoiando o lado errado, porque seu presidente é bandido’. Respondi: ‘Joice, você escolheu seu lado. Eu apoio o presidente Bolsonaro, siga seu caminho’. Agora, vem um babaca questionar meu posicionamento”, afirmou Tomé em referência a Marinho. O comentarista do Pânico, por sua vez, retrucou a ofensiva. “Valeu chorão, chora por político, pode chorar”, disse o integrante da bancada.

Quando a briga se intensificou, o apresentador do programa, Emílio Surita, chamou o intervalo comercial. No retorno, pediu desculpas ao público. “Eu peço desculpas à nossa audiência, os ânimos se acirraram. Vocês sabem que a democracia é ruidosa e, às vezes, perdemos o controle da situação. No entanto, posso garantir que está tudo bem. Evidentemente, depois conversaremos com todo mundo fora do ar e fora do calor da discussão. Fico triste que levaram um debate bacana para o lado pessoal, este não era o nosso objetivo, mas neste momento quente da política, aconteceu. Mais uma vez, peço desculpas por termos passado do ponto”, concluiu.