Previous
Next
Previous
Next

Asteroide quase atingiu a Terra essa semana

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um pequeno asteroide, com cerca de 2 metros, por muito pouco não atingiu a Terra nesta segunda, 25 de outubro. A informação foi divulgada nesta terça (26) pelo Minor Planet Center e pelo Catalina Sky Survey, que descobriu a rocha espacial.

Chamado preliminarmente de 2021 UA1, o asteroide foi descoberto 4 horas após sua máxima aproximação da Terra, quando passou a apenas 3.047 km acima da superfície do nosso planeta.

 

Gráfico mostrando a aproximação do asteroide 2021 UA1
Gráfico mostrando a aproximação do asteroide 2021 UA1. Fonte: Minor Planet Center
O 2021 UA1 foi oficialmente reconhecido pelo Minor Planet Center a partir da circular MPEC 2021 U95 publicada na manhã desta terça (26). Ele é o terceiro asteroide que passou mais próximo da Terra. Antes dele, os asteroides 2020 QG e 2020 VT4, no ano passado, passaram a 2.946 km e 374 km da superfície.

Leia mais:

Asteroide do tamanho de um ônibus passou pela Terra e você nem percebeu
Telescópio do ESO capta imagens dos maiores asteroides do sistema solar
Rochas porosas fazem a superfície do asteroide Bennu parecer “areia de praia”
Durante sua máxima aproximação da Terra, a rocha espacial viajava a 57 mil km/h (15,84 km/s) e a gravidade do planeta provocou um desvio significativo em sua trajetória. Se atingisse a Terra, por ser um objeto muito pequeno, não representaria nenhum risco para nós. Geraria, certamente, um belo meteoro e talvez deixasse alguns meteoritos em solo. O impacto com a atmosfera liberaria uma energia equivalente a 150 toneladas de dinamite, o que seria cerca de 100 vezes menos energético que o meteoro de Chelyabinsk, ocorrido em 2013 na Rússia.

Embora este asteroide não represente qualquer risco para a Terra, vale a pena destacar a importância de aumentarmos nossa capacidade de busca desses objetos próximos à Terra. Para que possamos descobrir, com o máximo de antecedência possível, asteroides como esse e, principalmente, os mais perigosos para nosso planeta.

 

olhardigital