Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Cabo ou Wi-Fi: qual a melhor opção de internet para você?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Ao configurar uma rede, você já deve ter parado para pensar por que algumas atividades funcionam tão bem no Wi-Fi, e outras não. Esse assunto acaba se estendendo até por qual tecnologia devemos optar para o nosso cotidiano.

 

O Olhar Digital traz aqui um comparativo entre as duas formas de conexão, mostrando quais são os principais pontos fortes e fracos para cada uma delas, tal como exemplos de onde usá-las. Assim, você conseguirá decidir qual é a melhor opção para a sua necessidade.

 

Velocidade

 

O Wi-Fi teve um começo com conexões bem lentas, já que o padrão adotado na época não era tão robusto quanto o que temos hoje. Na época, os primeiros modelos de roteadores trabalhavam, em sua maioria, com a velocidade máxima de 54 Mbps.

 

Nos últimos anos, graças a evolução da tecnologia e os novos padrões que surgiram em 2009, tornou-se possível obter velocidades melhores para conexões Wi-Fi. Veja abaixo a diferença entre os principais protocolos usados hoje:

 

802.11a: Funciona na frequência 5Ghz e alcança até 54Mbps de velocidade, mas tem dificuldade para propagar o sinal em ambientes com obstáculos;

 

802.11b: Trouxe uma conexão mais estável ao usar a frequência 2.4Ghz, mas alcança no máximo 11Mbps de velocidade;

 

802.11g: Alcança até 54Mbps de velocidade na frequência 2.4Ghz, e é muito utilizado devido ao seu baixo custo para ser implementado;

 

802.11n: Mudou algumas técnicas e mecanismos de transmissão que permitiram alcançar 600Mbps de velocidade;

 

802.11ac: Uma melhoria dos protocolos anteriores que ao fazer uso da frequência de 5Ghz, consegue fornecer velocidades até 866.7Mbps.

 

Embora o Wi-Fi tenha evoluído bastante, este tipo de conexão ainda apresenta velocidades inferiores às entregues via cabo. Nesse tipo de rede, é possível obter velocidade de até 10Gb/s ao utilizar um cabo Cat6 mais avançado. Entretanto, o equipamento mais comum é o Cat5e, que consegue entregar até 1Gb/s de velocidade, um pouco mais que as conexões sem fio.

 

Diferente do Wi-Fi, as redes cabeadas sofrem menos com instabilidades causadas por fatores externos, conforme explicaremos a seguir. Entretanto, há interferências por outros fatores, como o comprimento do fio. Por exemplo, o cabo Cat6 só consegue entregar a sua velocidade máxima se tiver menos de 55 metros. De qualquer forma, as redes cabeadas acabam sendo uma melhor opção para quem procura velocidade.

 

Latência e estabilidade

 

Ao fazer um download via Wi-Fi, você já deve ter notado que a velocidade nem sempre é a mesma das que são feitas pelo cabo. Esta inconsistência se deve a fatores externos que prejudicam o Wi-Fi, como interferências na frequência na qual o roteador trabalha. Esse problema pode ser causado por diversos aparelhos domésticos que, mesmo não criando rede, podem interferir diretamente na qualidade do sinal.

 

A maioria dos roteadores, antigamente, traziam apenas a frequência 2,4 GHz, popular em aparelhos Bluetooth e telefones sem fio. Embora este ainda seja o padrão mais utilizado, equipamentos com frequência de 5 GHz tem se popularizado nos últimos anos. Por não ser utilizadas por outros aparelhos, essas redes acabam tendo uma estabilidade maior e sofrem menos interferência.

 

Não bastasse a interferência das frequências, o Wi-Fi também trabalha por canais. Quando o seu modem está em um lugar com muitas outras redes, por exemplo, não é incomum que os canais mais populares acabem congestionados. Veja a imagem abaixo.

 

 

Através do gráfico, é possível ver que existem muitas redes trabalhando em um mesmo canal. Isto acontece devido a maioria das fabricantes já deixarem os seus roteadores pré-definidos para trabalhar nos canais 1, 6 e 11. Note que os canais 2, 3 e 4 têm poucas redes ativas, e assim seriam opções mais indicadas por terem menos interferência.

 

Outro fator que interfere muito na qualidade de uma conexão Wi-Fi é o lugar onde está posicionado o roteador, as paredes ao seu redor e até o tipo de antena utilizada. Neste aspecto, é importante estar atento ao dBi da peça de transmissão. Uma antena de 12 dBi, por exemplo, pode se sair bem ambientes grandes e abertos, mas não teria a mesma eficiência que uma antena de 7 dBi em um local com mais de um andar.

 

Na parte de redes via cabo, todos esses fatores externos não importam tanto, uma vez que você consegue cabear o seu ambiente, e passa por obstáculos sem tanta interferência. Isso lhe garante uma maior estabilidade que deixará a sua conexão melhor, consequentemente tendo uma velocidade maior e mais estável.

 

Segurança

 

Quando estamos em uma rede Wi-Fi, nós infelizmente não podemos ter tanto controle quanto em uma rede cabeada. Ao implementá-la, tal como em qualquer rede, você ainda define qual o protocolo a ser utilizado, como o WPA ou o WPA2. O WPA3 que trará mais segurança ainda não foi implementado, e está sob desenvolvimento.

 

Diferente da rede cabeada, que exige a presença física para o acesso e a conexão com o fio, o Wi-Fi confia apenas na senha para a proteção. Além disso, uma vez que alguém obtém acesso à sua rede, a pessoa conseguirá conectar novamente a ela quando estiver próximo até que você tenha mude sua palavra-passe ou bloqueio o equipamento da pessoa no roteador.

 

Além do cenário acima, há diversos tipos de ataque que podem ser executados remotamente para tentar quebrar uma chave de criptografia no Wi-Fi. Ainda no ano passado, explicamos como funciona a vulnerabilidade do Krack, que está presente no protocolo mais utilizado hoje, o WPA2.

 

Aqui, mais uma vez, a rede cabeada acaba se sobressaindo em relação a Wi-Fi. Para alguém tentar fazer o ataque na sua rede cabeada, a pessoa precisaria ter acesso em algum ponto físico a ela. Ainda assim, é possível criar etapas adicionais de segurança nesses casos, como a restrição de endereços MAC desconhecidos e a exigência de login.

 

Uso no dia-a-dia: Wi-Fi ou cabo?

 

Apesar de todos os pontos fortes e fracos citados de cada tipo de conexão, é bastante importante que o indivíduo reflita sobre os seus objetivos ao montar uma rede de Internet. Afinal, há casos em que, mesmo com vulnerabilidade e compromissos à velocidade, o Wi-Fi pode ser uma opção vantajosa em relação ao cabo.

 

Se você utiliza a internet para atividades de lazer, como o streaming de vídeos, músicas e navegação em sites, por exemplo, o Wi-Fi conseguirá atender a sua necessidade sem grandes problemas. Mas se você precisa de mais estabilidade para jogar online, fazer grandes transferências de arquivos ou até mesmo streaming de vídeos em resoluções muito altas, a opção cabeada tende a ser a melhor por conta de sua estabilidade e perda de pacotes menor.

 

Enfim, ambos os tipos de rede conseguem entregar boas velocidades e com segurança. A escolha deve estar baseada na atividade você realizará. Na dúvida, é possível montar uma rede mista com conexão cabeada para equipamentos com maior demanda e rede Wi-Fi para dispositivos menos exigentes, como telefones e notebooks.

 

 

 

OlharDigital