Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Cápsula Dragon da SpaceX se acopla com sucesso na IS

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Washington, 3 Mar 2019 (AFP) – A nova cápsula Crew Dragon da SpaceX foi capaz, neste domingo (3), de se acoplar automaticamente à Estação Espacial Internacional (ISS), confirmaram a NASA e a SpaceX durante uma transmissão ao vivo da operação.

“Acoplagem suave confirmada”, anunciou a NASA, que acrescentou minutos depois: “Podemos confirmar que a captura total foi finalizada”.

O anúncio foi recebido com aplausos no Centro Espacial Johnson em Houston, nos Estados Unidos.

O contato ocorreu às 10h51 GMT (07h51 de Brasília), mais de 400 km acima da superfície da Terra, ao norte da Nova Zelândia, 27 horas após o lançamento da Dragon por um foguete SpaceX do Centro Espacial Kennedy.

A cápsula se aproximou progressivamente da estação, sincronizando sua velocidade e sua trajetória. Esta é uma primeira missão de demonstração, sem astronauta, antes de uma primeira missão tripulada prevista para este ano.

Com sua ponta aberta, em meio à escuridão do espaço, a cápsula se acoplou automaticamente à Estadção, onde estão atualmente a americana Anne McClain, o russo Oleg Kononenko e o canadense David Saint-Jacques.

Na imagem, o contato pareceu acontecer muito lentamente, enquanto a ISS e a cápsula avançavam paralelas a mais de 27.000 km/h na órbita da Terra.

“Outro passo que nos aproxima de nosso voo”, reagiu o astronauta Bob Behnken, um dos escolhidos pela NASA para a primeira missão tripulada da Dragon.

Um pouco mais de duas horas depois, os três membros da tripulação da ISS abriram a escotilha da cápsula e, pela primeira vez, entraram na cápsula no espaço.

Em seu interior encontratam o boneco Ripley, instalado em seu assento, e uma pelúcia em forma de planeta azul, que a SpaceX introduziu com humor na cápsula para servir como um “indicador de ausência de peso super ‘high tech'”.

“Bem-vindo à nova era do voo espacial”, disse McClain, de dentro da Crew Dragon.

“Parabéns a todos vocês por essa conquista histórica que nos aproxima do dia em que poderemos fazer astronautas americanos voar em foguetes americanos”, disse o chefe da NASA, Jim Bridenstine.

A missão de teste, que está três anos atrasada em relação ao cronograma original, é um ensaio das condições reais para o próximo voo, que terá dois astronautas a bordo. A data oficial é julho, mas pode ser adiada.

Os engenheiros da SpaceX e da NASA querem garantir que o veículo seja confiável e seguro para os seres humanos. Eles também querem verificar se os quatro paraquedas, já testados muitas vezes, retardarão a queda no Atlântico.

Os sensores ligados a Ripley, nomeado em homenagem à heroína dos filmes Alien, vão medir as forças exercidas sobre os futuros passageiros.

A abertura da comporta pela tripulação da ISS está programada para 13H30 GMT (10h30 de Brasília).

Dragon permanecerá acoplada à ISS até sexta-feira, quando retornará à Terra para pousar no Atlântico, uma das etapas mais perigosas da missão.

Desde 2010, a NASA pagou mais de US$ 3 bilhões em contratos com a SpaceX para desenvolver este serviço de táxi, e US$ 4,8 bilhões para o grupo Boeing, que está desenvolvendo sua própria cápsula, a Starliner (teste programado para abril).

Cada uma terá que fazer seis viagens de ida e volta à ISS, sem contar os testes. Os grandes contratos são de 2014.

A SpaceX ocupa, desde 2014, a lendária plataforma de lançamento No. 39A do Kennedy Center, de onde partiram as missões Apollo para a Lua, e numerosos ônibus espaciais durante seus trinta anos de serviço.

Desde 2011, os astronautas vão para a ISS a bordo dos foguetes russos Soyuz. Eles devem aprender russo e treinar na Rússia.

Para a SpaceX, que tem garantido o abastecimento da Estação Espacial desde 2012, conseguir enviar astronautas à órbita seria uma consagração.

Mas, por precaução, no caso de nem a SpaceX nem a Boeing estarem prontas antes do final do ano, a NASA já reservou dois assentos na Soyuz para garantir o acesso à ISS até 2020.

AFP