Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Caso Rebeca: Réu teria feito ameaças e tentado estupro, diz testemunha

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma testemunha do caso Rebeca revelou, nesta quinta-feira (28), durante depoimento ao 1º Tribunal do Júri, ter sido vítima de ameaças e tentativa de estupro pelo padrasto de Rebeca, Edvaldo Soares da Silva. Na época, a garota tinha 13 anos.

A testemunha disse que conhecia Edvaldo desde os três anos de idade, e que ele visitava sua residência com frequência por conta da ligação com a igreja que ela e a mãe costumavam ir.

Edvaldo tentou dopar mãe da adolescente

Durante depoimento, a jovem disse ter flagrado Edvaldo dentro do seu quarto durante a madrugada, após ter tentado dopar sua mãe com éter. Ela contou que ele conseguiu entrar na residência sem arrombar a porta porque tinha feito uma cópia da chave, sem permissão. “A chave ficou uns três dias desaparecida, e depois foi encontrada por ele aqui dentro de casa”, afirmou.

A jovem disse também que pelo fato de Edvaldo ser policial e membro da igreja ninguém desconfiava de sua conduta, mas lembra que ele tinha algumas brincadeiras como dar tapas em suas nádegas. “Ele me prometia presentes e dizia que só me dava se eu o beijasse”, contou.

Adolescente flagrou Edvaldo lhe observando no banho

A testemunha disse ter flagrado Edvaldo lhe observando tomar banho meses antes de ter sido vítima da tentativa de estupro. Ela contou que a janela do banheiro era tipo basculante e estava quebrada, e para tapar o buraco sua mãe havia improvisado um cartão no local. “Eu cheguei a contar para minha mãe, mas ela achou que eu tinha tido uma visagem, me confundido”, lembrou.

Tentativa de estupro

A depoente se emocionou a lembrar do dia em que percebeu Edvaldo dentro do seu quarto durante a madrugada. Ela disse que ele entrou com a cópia da chave e ao perceber que sua mãe estava deitada em um quarto antes do dela, tentou dopá-la com éter.

A mãe da garota disse que fingiu ter sido dopada e ouviu Edvaldo ligando para uma pessoa contando sobre a tentativa de estupro contra a filha dela, que na época tinha apenas 13 anos. “Como ele tinha desligado a chave da luz, e estava muito escuro, minha mãe só conseguiu ouvir a voz, mas não quis acreditar que seria ele”, comentou.

Ela disse que em seguida Edvaldo se dirigiu ao seu quarto e apalpou suas nádegas. A garota lembra que ficou assustada com o episódio e começou a pedir a ajuda da mãe, que estava debilitada em função do éter. Mesmo nessa situação, a mãe a orientou a gritar por socorro, o que fez com que o policial fugisse.

Jovem revela ameaças

A garota disse que três dias depois desse episódio, Edvaldo voltou à sua casa e ao vê-la fez o gesto de silêncio e lhe mostrou uma arma. A jovem contou que ficou com medo de denunciá-lo, mas mesmo assim, depois acabou contando à mãe e à uma irmã mais velha.

Edvaldo teria confessado tentativa de estupro

A irmã e o cunhado da testemunha conversaram com Edvaldo sobre o acontecido e ele acabou confessando o que tinha feito contra ela. Ela disse que a mãe chegou a registrar um boletim de ocorrência na tentativa de processá-lo, mas devido aos custos com advogado não teve como levar a situação adiante.

Ameaça no ônibus

A depoente também disse que recebia ligações de Edvaldo, com ameaças de que iria concluir o que não conseguiu em sua casa. “Ele ficava me seguindo, dizendo que ia me pegar. Certo dia, ele entrou no ônibus em que eu estava e sentou atrás de mim, dizendo que ia terminar o que não conseguiu na minha casa, e seria no caminho para a escola. Foi aí que deixei de estudar, com medo”, revelou.

Portal Correio