Previous
Next
Previous
Next

Comunidade Dubai I em Mangabeira tem 90 famílias estão cadastradas para receber o auxílio moradia, e 247 se recusam

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Após desocupação da área conhecida como comunidade Dubai I, em João Pessoa, 90 pessoas já foram cadastradas para receber o auxílio aluguel no valor de R$ 350 da prefeitura municipal e o restante se recusa a receber.

As pessoas que foram desabrigadas na operação estão divididas entre o ginásio do Centro Profissionalizante Deputado Antônio Cabral (CPDAC), no Valentina, entre a escola João Gadelha e o ginásio Hermes Taurino, ambos em Mangabeira.

A Secretaria de Desenvolvimento Social informou ao g1 que, nesses espaços, são 284 famílias cadastradas, e existem mais 53 famílias que estão em casas de familiares.

A documentação de todas essas famílias foi requisitada para incluí-las no auxílio, porém apenas 90 famílias entregaram a documentação. Essas já estão inclusas no processo de concessão.

Ainda de acordo com a secretaria, a entrega de alguns documentos está sendo desburocratizada, conforme recomendação do Ministério Público, e dando um prazo para que as famílias que aderiram ao auxílio moradia possam apresentar esses documentos faltantes. De início, é requisitado apenas identidade, CPF e dados bancários.

Porém, famílias estão se recusando a entregar as documentações e a secretaria encontra muita resistência por parte das famílias que estão abrigadas.

As famílias devem receber o auxílio moradia até receberem as suas unidades habitacionais que serão entregues pela Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Habitação Social.

Um representante da Comunidade Dubai, Rivanildo Costa, explicou o motivo da recusa de algumas famílias em não receber o auxílio. Segundo ele, parte dos moradores exige que, antes de receber o auxílio, seja feito um mapeamento das terras e que as casas que ali ficavam sejam catalogadas. Até que isso aconteça, eles vão continuar ocupando as escolas.

Em entrevista para a TV Cabo Branco, a secretária de habitação da capital, Socorro Gadelha, informou que além do auxílio, os moradores cadastrados também recebem um vale alimentação no valor de R$ 50.

Segundo a secretária, o auxílio-moradia é dado para que as pessoas escolham a casa onde vão ficar provisoriamente. Já sobre o imóvel definitivo, dois terrenos disponíveis estão sendo analisados. O projeto será apresentado ao Ministério Público na semana que vem e, depois, aos moradores em uma reunião de uma comissão de representantes. Os recursos já estão garantidos, segundo a secretaria de habitação.

Uma reunião convocada pelo promotor da Infância e da Juventude do Ministério Público da Paraíba, Alley Escorel, foi realizada nesta quarta-feira (1º). Na ocasião, o promotor cobrou que o poder público apresente um plano de ação, explicando detalhadamente o que será feito para resolver a situação das famílias abrigadas, incluindo o prazo para a concessão dos auxílios-moradia. O prazo para apresentação do plano é até a próxima terça-feira (7).

g1pb