Anterior
Próximo
Anterior
Próximo

Especialista alerta para maior incidência de problemas respiratórios em dias de chuva

Ainda estamos no verão, mas as chuvas já começaram a cair nos últimos dias. E, nesses dias chuvosos, é importante que a população fique alerta à facilidade de desenvolver algum problema respiratório. Isso acontece porque nesse período os vírus circulam mais e as pessoas acabam ficando em ambientes fechados por um tempo maior do que o de costume, seja para se aquecer ou não se molhar na chuva.
A dra. Nathália Sá, do Hospital Nossa Senhora das Neves (HNSN), explica que o aumento do número de pacientes com doenças respiratórias em dias de chuva é reflexo da mudança ambiental. “Um dos aparatos do corpo humano com maior intercâmbio com o meio ambiente é o aparelho respiratório. Devido à grande quantidade de ar que nós respiramos, qualquer modificação climática pode desencadear o aumento das doenças respiratórias, como crises de rinite alérgica por conta de uma maior permanência em ambientes fechados que facilitam o contato com ácaros e propagação do mofo. Além disso, há maior transmissão de infecções respiratórias pelo contato mais próximo entre as pessoas, que costumam ficar confinadas em ambientes sem ventilação”, esclarece a médica.

Espirros, coriza, dor de garganta e no corpo, tosse e febre são os sintomas que normalmente aparecem rápido com a mudança de tempo. Por serem semelhantes, é preciso procurar um médico para ter um diagnóstico mais preciso e fazer o tratamento correto. Vale alertar que crianças e idosos estão mais susceptíveis por conta da baixa imunidade, além disso sempre tem vírus circulando. Então, quando chove aumenta a transmissão de gripe, faringite, laringite e até mesmo pneumonia.

 

Confira as dicas de prevenção da médica:

 

– Manter portas e janelas abertas para que o ar circule;

– Antes de usar uma roupa de frio, que provavelmente estava guardada por um tempo, lavá-la e colocá-la para levar sol;

– Abrir as portas dos armários a cada 15 dias para renovar o ar dentro dos móveis;

– Lavar as mãos com frequência, principalmente após espirrar, tossir ou usar o banheiro;

– Utilizar antimofo e não deixar acumular poeira.

Assessoria