Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Especialista aponta uso excessivo de redes sociais como fator que leva pessoas ao suicídio

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O aumento dos casos de suicídio entre jovens brasileiros é preocupante. Desde 2014, a incidência entre jovens de 12 a 25 anos no Brasil teve um aumento de aproximadamente 40%. No País, o suicídio ocupa a quarta posição na lista das maiores causas de morte entre homens e mulheres de 15 a 29 anos. No Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, lembrado em todo o mundo nesta terça-feira, 10 de setembro, a professora de Psicologia da Unifacisa, Renata Oliveira, alerta para um fator que reforça o crescimento dos casos de suicídio: as redes sociais.

“O uso das redes sociais amplificou uma forma de funcionamento que já existia, mas ainda sem consequências tão chocantes: a sociedade do espetáculo e o viver de aparências. No entanto, a exacerbação desses fenômenos no âmbito das redes sociais se tornou praticamente um sintoma de incontáveis pessoas que vivem em função de curtidas e seguidores. Somando-se a isso, temos: a falta de tolerância à diferença, à frustração e ao fracasso; e a falta de sentido, pois nos acostumamos a querer tudo pronto e para ontem. O resultado é o aumento dos transtornos psicológicos e, consequentemente, dos suicídios”, explica a especialista.

Além da busca pela imagem perfeita e a comparação excessiva, as relações interpessoais sofreram modificações com as plataformas digitais, segundo Renata. “A virtualidade restringe a possibilidade de respostas reais, sem filtro, e reforça a superficialidade nas relações, tornando-as sem sentido, vazias e descartáveis. Também passamos por um momento em que valores como solidariedade e cooperação se tornam cada vez mais esquecidos”, diz.

E como identificar e lidar com um possível comportamento suicida em um amigo, parente ou colega de trabalho? Renata fala sobre os sinais e a melhor forma de agir nestes casos. “Os sinais incluem: apatia, isolamento social, humor deprimido, ideias mórbidas e negativas, desistência de projetos e expressões como ‘eu só queria sumir’, ‘não aguento mais essa vida’ e ‘preferia estar morto(a)’, que são sinais de alerta para o risco de tentativas de suicídio. O certo é fazer com a pessoa se sinta acolhida, ouvi-la, abraçá-la e providenciar ajuda profissional com psicólogos e psiquiatras”.

A professora destaca a importância do Dia Mundial da Prevenção do Suicídio e também da campanha Setembro Amarelo, criada no Brasil em 2015 pelo Centro de Valorização à Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). “Essas iniciativas são de suma importância, já que o suicídio ainda é considerado um tabu no Brasil. Além disso, servem para tentarmos compreender o fenômeno do suicídio sem julgamentos morais e religiosos, pois trata-se de algo multideterminado e um problema de saúde pública”, completa Renata.

Unifacisa adere à causa

Nesta terça-feira (10), em alusão ao Dia Mundial da Prevenção do Suicídio e da campanha Setembro Amarelo, alunos, professores e colaboradores da Unifacisa realizaram um ato simbólico no campus Itararé da instituição, marcando a adesão do centro universitário à campanha nacional. Os participantes, vestidos de camisas amarelas e brancas, formaram um grande laço humano no gramado externo, reforçando mais uma vez o engajamento e o compromisso social da Unifacisa perante à comunidade.

paraiba.com.br