Previous
Next
Previous
Next

Estudo sugere que Alzheimer pode ser detectado em novo tipo de exame de sangue

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um estudo publicado nesta terça-feira (28) apresenta o que pode ser o primeiro exame de sangue capaz de diagnosticar o Alzheimer. Atualmente, a doença é detectada por exclusão e relatos de familiares, com um mapeamento do cérebro feito com segurança após a morte. De acordo com os autores, o novo teste foi capaz de discriminar a doença sem confusão com outros problemas degenerativos.

Inicialmente, os pesquisadores queriam responder se o índice de uma proteína encontrada no plasma, a fosfo-tau217, é capaz de diferenciar o Alzheimer de outras doenças neurodegenerativas. Isso por que, de acordo com os especialistas, os níveis da fosfo-tau217 aumentam cerca de sete vezes em caso de Alzheimer e, em indivíduos com o gene que causa a doença, a taxa já começa a aumentar 20 anos antes do início do comprometimento cognitivo.

O estudo observacional incluiu 1.402 pacientes divididos em três grupos e concluiu que sim, é possível usar um teste para analisar esse biomarcador (proteína fosfo-tau2017) como forma eficiente de detectar a doença. Os resultados foram apresentados na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer e publicados na revista “JAMA” simultaneamente.

LEIA MAIS: Nove países já testam vacinas contra a Covid-19 em humanos, mas só três estão na etapa final

Assinam autores suecos, americanos, colombianos e alemães, liderados por Oskar Hansson e Sebastian Palmqvist, da Universidade de Lund, principal instituição responsável pelo artigo. É importante ressaltar que, de acordo com os cientistas, apesar dos bons resultados, ainda são necessárias mais pesquisas com populações mais diversas e em estudos randomizados – participantes selecionados de forma sorteada, sem influência externa possível nos resultados.

Em entrevista ao “The New York Times”, o pesquisador da Universidade da Califórnia, Michael Weiner, disse que o exame de sangue conseguiu mostrar “com muita precisão quem tem a doença no cérebro, incluindo pessoas que parecem não ter Alzheimer”. Ele não assina o estudo, mas comenta:

“Não é uma cura, não é um tratamento, mas você não pode tratar a doença sem poder diagnosticá-la. E o diagnóstico preciso e de baixo custo é realmente emocionante, por isso é um avanço.”

No Brasil, de acordo com dado de 2017 do Ministério da Saúde, estima-se que 1,1 milhão de pessoas tenham Alzheimer. Alguns dos sinais são: falta de memória; repetição da mesma pergunta; dificuldade para acompanhar conversações ou pensamentos; dificuldade para dirigir e encontrar caminhos; irritabilidade; agressividade ou passividade; interpretações erradas de estímulos visuais ou auditivos; isolamento.

clickpb