Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Geladeira solar permite armazenamento de alimentos em áreas sem energia elétrica

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um projeto de uma empresa brasileira está ajudando a melhorar a vida em uma região africana em que mais de 600 milhões de pessoas vivem sem acesso à rede elétrica. A Youmma desenvolveu uma geladeira movida a energia solar que permite que mesmo pessoas em regiões remotas do planeta consigam armazenar alimentos.

A geladeira da Youmma é, além de tudo, econômica, o que é ainda mais importante considerando a área do mundo em que está sendo usada. O sistema de resfriamento do equipamento de cem litros consome um quarto da energia exigida por uma geladeira tradicional, de acordo com a Nidec Global Appliance, dona da Youmma.

Com isso, uma bateria pequena carregada com energia solar acaba sendo o suficiente para fornecer uma maneira de guardar alimentos com segurança. A autonomia da bateria é alta: ela manter a geladeira funcionando por um dia e meio sem precisar de recarga.

Disponível atualmente em Uganda e Quênia, a Youmma diz já ter vendido 2 mil unidades da geladeira desde 2019. A maior parte dos clientes é formada por pequenos empresários, e André Morriesen, pesquisador e gerente de desenvolvimento da Nidec, acredita que o eletrodoméstico econômico pode mudar a vida de muita gente.

Pague enquanto usa
Para conseguir espalhar a geladeira pelos países africanos, a Youmma criou um modelo de pagamento via telefone celular que mantém o equipamento funcionando enquanto o cliente continua pagando – até que, depois de um tempo, a geladeira passa a ser dele e ele pode usá-la como quiser.

Atualmente, novos consumidores precisam fazer um depósito equivalente a US$ 100 dólares, e a partir daí serão descontados de US$ 1 a US$ 1,50 por pacotes que incluem o uso da energia, além de cobrir custos de instalação do painel solar.

O preço final depende de acordos feitos com a M-Kopa, uma empresa queniana de energia solar. Em média, as pessoas devem demorar 2 anos para conseguir pagar o equipamento e ficar com a geladeira indefinidamente.

Como o preço não é baixo o suficiente para a região, essas geladeiras solares estão sendo mais usadas por pequenos vendedores, que podem passar a armazenar alimentos e ampliar as vendas.

Vale lembrar que, além do custo, outro fator fundamental é a fonte de energia, já que a Youmma está comercializando o dispositivo em regiões com acesso limitado ou inexistente a redes de energia elétrica.

Além de Uganda e Quênia, a Youmma planeja expandir os serviços para outros países africanos, incluindo Nigéria, Tanzânia, Zâmbia, Costa do Marfim e Senegal.

Via: CNN