Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Guardiola sobre tensão na Catalunha: ‘Tenho amigos que vão passar nove anos presos por votar’

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Guardiola fez um apelo sobre a situação da Catalunha nesta sexta-feira. Em entrevista coletiva anterior ao confronto entre Manchester City e Crystal Palace, no próximo sábado, o treinador não quis comentar o adiamento do clássico entre Barcelona e Real Madrid, mas deu declarações fortes sobre o momento político tenso na Espanha. Para o ex-técnico blaugrana, que disse ter amigos entre os ativistas presos, é necessário que se dê valor aos protestos dos cidadãos catalães, assim como o resto da Europa precisa ajudar na resolução dos conflitos.

– Não sei exatamente o que vai acontecer hoje no meu país, Catalunha. Quão incrivelmente e pacificamente as pessoas estão marchando pela Catalunha até Barcelona, para dar apoio aos políticos e ativistas presos há mais de um ano. Se o povo não estivesse convicto, não marchariam milhões e milhões de pessoas de todas as cidades da Catalunha para dar o seu apoio. A comunidade internacional deve nos ajudar para resolver este conflito entre Catalunha e Espanha – disse Guardiola, complementando:

“Tenho amigos pessoais que vão passar nove anos presos por votar. Por pedir uma votação. E são milhões de pessoas que os estão apoiando pacificamente. A Europa precisa dar um passo adiante para nos ajudar a resolver este conflito”

Guardiola também comentou um comunicado que gravou no início desta semana, no qual se posiciona contrário à sentença imposta pelo governo espanhol, fato que foi estopim para as novas manifestações. O treinador afirmou que sua defesa pelos direitos humanos acontecerá onde quer que ele estiver, reiterando o pedido para que entidades de fora da Espanha auxiliem no problema.

– Direita ou esquerda, ninguém quer se envolver. Precisamos da Europa para resolver esse conflito. As pessoas não confiam umas nas outras na Espanha e Catalunha. Por isso fiz o comunicado. Precisamos sentar e conversar.

G1