Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Hackers são presos após desfigurarem os vídeos mais vistos do YouTube

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Em abril deste ano, alguns dos maiores canais do YouTube foram desfigurados. Alguns dos clipes mais visualizados da plataforma tiveram a imagem de destaque substituída, assim como o título e a descrição, graças a uma invasão nas contas da Vevo. Agora, dois franceses de 18 anos foram presos pelo ataque.

Os hackers foram identificados como “Nassim B.” e “Gabriel K.A.B.”. O maior alvo foi o clipe de “Despacito”, de Luis Fonsi e Daddy Yankee, que é o vídeo mais visto da história do YouTube até o momento, mas Chris Brown, Shakira, Selena Gomez, Drake, Katy Perry e Taylor Swift também tiveram vídeos desfigurados.

Os hackers operavam com os pseudônimos de “Prosox” e “Kuroi’ish”, que publicaram mensagens a favor da Palestina, mas também fizeram outros comentários inocentes como “Drake foi morto pelo Prosox em Fortnite”. Não houve dano permanente no ataque e poucos minutos depois do ataque, a normalidade já havia sido restaurada.

 

 

Em comunicado no Twitter, o hacker identificado como Prosox afirmou que o ataque foi realizado apenas por diversão, utilizando um script simples para tomar controle das contas da Vevo.

No entanto, as autoridades não encararam o ataque como uma brincadeira, e agora os jovens acumulam 11 acusações formais, fruto de uma cooperação da Promotoria de Paris e da Promotoria de Manhattan, em Nova York, onde fica a sede da Vevo. Nassim acumula cinco acusações, enquanto Gabriel tem seis contra si. Isso inclui o crime de “modificar de forma fraudulenta dados armazenados em um sistema de processamento de dados automático”.

A desfiguração dos vídeos, no entanto, foi o menor dos problemas da Vevo com hackers. Alguns meses antes, a empresa foi alvo de um mega vazamento de informações que expôs 3 terabytes de dados internos da empresa, incluindo até mesmo códigos de alarme que permitiriam desativar a segurança do escritório no Reino Unido. Ao que tudo indica, os jovens franceses não tiveram nada a ver com o primeiro ataque.

 

OlharDigital