Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Imagem mostra incrível resultado de uma estrela engolindo outra

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um encontro entre duas estrelas espalhou seus restos mortais pelo canto do espaço de maneira espetacular. E graças à tecnologia, podemos ver o resultado. O fenômeno ocorreu quando uma estrela que esta estava morrendo se expandiu e engoliu outra estrela massiva. A “vítima” começou a espiralar em direção à outra, fazendo com que ela se desprendesse prematuramente de suas camadas externas.

O resultado da colisão foi uma nuvem complexa de gás, fenômeno que deixa os astrônomos perplexos há décadas. Porém, usando os recursos do rádio-observatório Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), os segredos vieram à tona.

As estrelas que possuem aproximadamente a massa do nosso Sol têm um caminho evolutivo conhecido. Quando elas fundem todo o hidrogênio em seus núcleos em hélio, a fusão nuclear no interior cessa e o núcleo começa a se contrair. Isso leva mais hidrogênio para a região imediatamente ao redor do núcleo, formando uma concha de hidrogênio. Com isso, a fusão se inicia novamente, despejando hélio no núcleo. Esse fenômeno é conhecido como queima de concha de hidrogênio.

Durante esse período, as camadas externas da estrela se expandem. Quando todo o hidrogênio estiver fundido, a estrela vai começar a fundir hélio e, quando todo o elemento no núcleo se fundir em oxigênio e carbono, o núcleo se contrai novamente e a estrela começa a se expandir de novo.

A equipe da Universidade de Tecnologia de Chalmers, na Suécia, reconstruiu o evento, que foi considerado bastante violento. A estrela que morreu estava se expandindo e envolveu a estrela menor, que espiralou em direção ao núcleo do gigante vermelho, mas parou antes de colidir. Isso fez com que a estrela entrasse em erupção prematuramente, ejetando explosivamente suas camadas de gás.

Embora o cenário seja incomum, ele pode ajudar os astrônomos a conectar os pontos entre os estágios evolutivos das estrelas. “Atualmente, podemos descrever os processos de morte comuns a muitas estrelas parecidas com o Sol, mas não podemos explicar exatamente como elas acontecem”, afirmou a astrônoma Sofia Ramstedt, da Universidade de Uppsala, na Suécia.

Olhar Digital