Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Íons de sódio: esse pode ser o futuro das baterias

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um grupo de pesquisadores desenvolveu um novo condutor para baterias de íons de sódio em estado sólido, que é estável quando incorporado em cátodos de óxido de alta voltagem, o novo material, batizado de NYZC, pode representar o futuro das baterias.

Este eletrólito pode melhorar significativamente a eficiência e a vida útil das baterias de íons de sódio, já que o protótipo construído em laboratório atingiu uma duração de mais de 1000 ciclos, mantendo uma taxa de 89,3% de sua capacidade. Este resultado foi bastante superior ao atingido por outras baterias de sódio de estado sólido.

A descoberta do NYZC pode significar um caminho para que a indústria possa finalmente adotar as baterias de íon de sódio, que prometem ser mais baratas e ecológicas, já que o sódio é um material mais abundante e que tem um processo de extração menos agressivo em comparação à tecnologia de íons de lítio, que é a mais usada atualmente.

O estudo foi um esforço conjunto de pesquisadores das Universidades da Califórnia de San Diego e Santa Barbara, além da Universidade Stony Brook, de Nova York, do Centro TCG para Pesquisa e Educação em Ciência e Tecnologia de Calcutá, da Índia e da Shell e foi publicado na edição de 23 de fevereiro da Nature Communications.

Atualmente, a grande dificuldade dos pesquisadores que estudam baterias de íon de sódio é encontrar um material que seja um bom condutor de energia para as baterias com custo relativamente baixo. O NYZC ainda não é este material, mas pode ser a chave para a descoberta dele.

“A indústria quer que baterias em nível de célula custem de US$30 a US$ 50 por kWh”, afirmou Shirley Meng, professora de nanoengenharia da Universidade da Califórnia em San Diego. Valor que é cerca de um quinto do que as baterias custam hoje.

Embora a questão do custo ainda seja um entrave, a equipe promete trabalhar em opções para tornar as baterias mais baratas e escaláveis. Uma delas é a substituição dos materiais de haleto com o objetivo de aumentar a densidade de energia geral da bateria. “Não vamos parar até chegarmos lá”, promete Meng.

Via: Tech Xplore