Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Jump: veja como funcionam as bicicletas elétricas da Uber

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

As bicicletas elétricas da Jump são uma opção barata de transporte para enfrentar o trânsito das grandes cidades. Disponível em algumas cidades dos Estados Unidos, México, Canadá e Europa, o serviço funciona de forma similar ao aluguel de patinetes elétricas que diversas empresas oferecem no Brasil. O diferencial, no entanto, é que usuário pode pedir a e-bike pelo aplicativo da Uber, que adquiriu a Jump em 2018.

O preço varia de acordo com a cidade. Em São Francisco, onde o TechTudo testou o serviço, o desbloqueio da bicicleta custa US$ 3 (cerca de R$ 13, em conversão direta) e permite rodar com o veículo por 20 minutos. Após esse tempo, cada minuto adicional sai por US$ 0,15 (aproximadamente R$ 0,60). A promessa da Uber é que o serviço seja disponibilizado no Brasil até o fim de 2019.

As bicicletas elétricas são parecidas com os modelos tradicionais, mas são bem mais pesadas. Na parte da frente, fica um painel que mostra informações como o nível de bateria. Há ainda uma cesta para que o usuário possa carregar sua bolsa ou outros objetos. A Uber recomenda o uso de capacete, para maior proteção, mas não oferece o acessório para aluguel.

Para começar a pedalar, a pessoa deve dar o impulso inicial, como em uma bicicleta comum. A direção, no entanto, é bem fácil porque o veículo trata de fazer todo o trabalho. Como os modelos têm um sistema de pedal assistido, quanto mais o usuário pedalar, maior será a velocidade. Essa característica ajuda bastante no percurso, especialmente em subidas.

As bicicletas têm até oito marchas. Para alternar entre elas, basta selecionar o número no guidão: no 1, o usuário precisa fazer mais força para movimentar o veículo e, conforme o número aumenta, fica mais fácil de dirigir a e-bike. Cada freio controla uma roda da bicicleta, mas o ideal é que eles sejam usados de forma combinada. Quando a bateria acaba, um funcionário da Uber recolhe a bicicleta para recarregar o veículo. Na última semana, a companhia anunciou que as e-bikes de 2020 terão bateria removível. Assim, o próprio usuário poderá ir em uma estação e trocar a bateria descarregada por uma nova.

Os modelos possuem uma espécie de cadeado, que trava seu uso. Funciona da seguinte forma: o usuário abre o app da Uber, coloca seu destino para que as bicicletas da Jump apareçam como uma opção de transporte. Então, quando estiver perto do veículo, ele faz o desbloqueio e a bicicleta será liberado para passeio. Quando desejar devolver, basta ver no mapa a área adequada para estacionar e prendê-la com o cadeado. Depois disso, outra pessoa só vai conseguir usá-la se fizer o mesmo procedimento.

A promessa da Uber é de que o lançamento das bicicletas elétricas no Brasil seja ainda em 2019, junto com as patinetes. O serviço se diferencia das bikes da Yellow e Tembici, por exemplo, justamente por oferecer veículos elétricos.

*A jornalista viajou para São Francisco a convite da Uber