Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Justiça dá 24 horas para Facebook apagar notícias falsas sobre Marielle Franco

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O juíz Jorge Jansen Counago Novelle, da 15ª vara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), deu ontem um prazo de 24 horas para que o Facebook exclua posts caluniosos sobre a vereadora Marielle Franco, assassinada no último dia 14. De acordo com o Estado de São Paulo, a ação foi movida pela viúva de Marielle, Mônica Benício, e a irmã da vereadora, Anielle Silva.

As postagens às quais se referia o processo, segundo o G1, informavam falsamente que a vereadora se elegera com a ajuda do Comando Vermelha (quando na verdade 40% dos votos dela vieram da Zona Sul e da Barra da Tijuca). Diziam, também falsamente, que ela teria engravidado aos 16 anos. Os dados, embora falsos, foram compartilhado por pessoas como o deputado federal Alberto fraga (DEM) e a desembargadora Marilia Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

“Não há de se tolerar, que a morte de Marielle, Mártir da História Contemporânea do Brasil, se repita, dia-a-dia, como vem ocorrendo, com a conivência por omissão, especificamente do Réu [o Facebook], que se traveste numa rede social e vem permitindo a propagação de crimes como calúnia contra os mortos, ódio, preconceito de raça e gênero e abusos, contra alguém que já não tem como se defender, contra seus parentes, irmã e sua companheira, contra familiares e contra a Sociedade”, disse Novelle em sua decisão.

Segundo a Agência Brasil, o juiz também determinou que o Facebook informe os perfis e pessoas responsáveis pelas publicações, mesmo que eles já tenham apagado as mensagens. Essa informação foi solicitada pela viúva e pela irmã de Marielle para que possam, futuramente, entrar com ações de reparação civil e criminal contra os autores.

Finalmente, a decisão do TJ-RJ obriga o Facebook a informar se a página Movimento Brasil Livre (MBL) e os perfis de Luciano Henrique Ayan e Luciano Ayan patrocinaram publicações caluniosas contra a vereadora. Eles são apontados pelas demandantes como precursoras de uma campanha caluniosa e difamatória contra a vereadora. Elas também querem saber se o Facebook lucrou com as calúnias, já que o patrocínio de tais postagens exige pagamento.

De acordo com o Extra, o Facebook informou que respeita a justiça brasileira e vai remover os conteúdos das URLs especificadas nos autos. Com relação aos outros pedidos do processo, a rede social ainda não se manifestou.

Fonte: OlharDigital