Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Ludmilla bate record a nível latino em plataforma de stream

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Ludmilla bateu um recorde na última quarta-feira (2). A cantora se tornou a primeira mulher negra latina a bater a marca de 1 bilhão de streams no Spotify. “Para uma mulher preta, que veio da baixada, isso é muito”, agradeceu Lud.

A dona do EP Numanice mandou recados aos fãs tanto no feed do Instagram quanto nos Stories. Em um texto, ela relembrou a sua trajetória. “Quando comecei a cantar, aos 15 anos, fazendo shows em cima de cadeiras – porque não tinha palco para me apresentar – jamais poderia imaginar que eu teria milhões de visualizações, muito menos que chegaria a um bilhão“, escreveu.

Nos vídeos dos Stories, ela continuou os agradecimentos. “Eu jamais poderia imaginar isso. E eu estou muito feliz. Está passando um filme na minha cabeça de tudo o que aconteceu na minha vida. Desde o primeiro dia que eu entrei no game, sabe? Não veio manual de instruções, eu não tinha ninguém para me guiar, pra me ajudar a fazer as coisas, pra me ensinar como funcionavam as coisas, de como teria que ser forte, ser corajosa… E que um dia daria certo. Eu não tinha ninguém. Eu fui persistente e muito abençoada por Deus. E hoje estou aqui, em choque. Estou tentando digerir essa marca e ter esse dia maravilhoso. Parece que estou vivendo um sonho“, relatou.

Para fechar, Ludmilla deixou um recado bem fofo para os fãs: “Quero dizer para as pessoas que, se elas tem um sonho na vida delas, seja persistente, corajosas e guerreiras. porque nada vem fácil. E quando vem muito suado assim, você vai dar mais valor ainda”.

Em seu instagran postou o seguinte texto:

Eu pisquei e vocês me deram um presente incrível: chegamos a marca de 1 BILHÃO DE STREAMS😍 A todos os meus fãs, muito obrigada do fundo do meu coração, vocês me fizeram chegar até aqui e são vocês que me impulsionam a fazer cada dia mais e melhor. Eu tenho os melhores fãs do mundooo❤️

Quando comecei a cantar, aos 15 anos, fazendo shows em cima de cadeiras – pq não tinha palco para me apresentar – jamais poderia imaginar que eu teria milhões de visualizações, muito menos que chegaria a um BILHÃO.

Pra uma mulher preta, que veio da baixada, isso é muito. E saber que sou a primeira negra latina a fazer isso só me impulsiona e me lembra que, sim, somos possíveis e cada vez mais estamos sendo mais e mais possíveis.

Meu Deus, muito obrigada!