Previous
Next
Previous
Next

Mark Zuckerberg perde US$ 6 bi e deixa de ser 4º mais rico do mundo; veja o ranking de bilionários

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O fundador do Facebook Mark Zuckerberg perdeu US$ 6 bilhões em poucas horas, após WhatsApp, Facebook e Instagram saírem do ar globalmente hoje. A queda fez com que ele caísse uma posição no ranking de bilionários da Bloomberg, índice que classifica as 500 pessoas mais ricas do mundo diariamente. Ele foi ultrapassado pelo fundador da Microsoft, Bill Gates, e agora ocupa a quinta posição da lista.

O valor da fortuna de Zuckerberg caiu para US$ 121,6 bilhões, enquanto Bill Gates tem US$ 124 bilhões, no índice de bilionários da Bloomberg. Desde 13 de setembro, segundo a agência, o CEO do Facebook perdeu cerca de US$ 19 bilhões em riqueza. Naquela data, a fortuna era avaliada em US$ 140 bilhões, de acordo com o índice.

Hoje, investidores venderam papéis e ações do gigante das mídias sociais, levando a uma queda de cerca de 5%. Desde meados de setembro, a perda registrada é de 15%.

Com a mudança, as primeiras dez posições da lista de pessoas mais ricas do mundo ficaram assim:

A queda de valor coincide com uma série de reportagens do Wall Street Journal, que baseadas em documentos internos da empresa, revelou que o Facebook sabia sobre uma série de problemas com seus produtos. Entre eles, o fato de o Instagram causar danos à saúde mental de adolescentes, bem como propagar desinformação sobre os eventos no Capitólio, em 6 de janeiro.

Ontem, uma ex-funcionária da empresa revelou sua identidade ao programa “60 Minutes”, da emissora americana CBS News como responsável por vazar documentos que mostram que a rede social estava alimentando o ódio.

Frances Haugen, uma especialista em dados de 37 anos, disse que trabalhou para empresas como Google e Pinterest, mas garantiu que o Facebook é “substancialmente pior” do que tudo o que já viu antes.

A empresa, porém, afirmou que estes são problemas complexos e que não se restringem à tecnologia. O vice-presidente de assuntos globais do Facebook, Nick Clegg, disse à CNN que “presumir que deve haver uma explicação tecnológica ou técnica para as questões de polarização política nos Estados Unidos” dá “conforto às pessoas presumir”.