Previous
Next
Previous
Next

MasterChef, que estreia nesta terça, terá melhor versão, dizem jurados

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Em busca da retomada dos velhos e áureos tempos de boa audiência, a oitava temporada do MasterChef versão amadores estreia nesta terça-feira (6) na Band apostando no antigo formato e em uma dinâmica mais acirrada para agradar ao público.

Segundo a direção, agora o reality conta com novidades ousadas e que prometem criar alguns ruídos no relacionamento dos 23 competidores.

A começar pela introdução da caixa misteriosa dourada que poderá trazer vantagens e desvantagens na cozinha. O avental dourado é outro artifício que deve mexer com os humores nas provas, já que, com ele, o competidor que se sentir prejudicado pode assumir o controle da cozinha no lugar do capitão.

“Isso tudo mexe com a dinâmica e traz mais pimenta para a prova em equipe. Além disso, os três jurados agora escolhem os três piores para a prova de eliminação, mas se reúnem e salvam um deles”, adianta a diretora, Marisa Mestiço.

Para Ana Paula Padrão, o reality em 2021 está mais “malandro”. “O jogo é o personagem principal dessa trama. Os competidores vão precisar ser bons jogadores e traçar estratégias desde o início. O mediano que não aparecia e chegava à final não terá espaço”, afirma. “Temos muita ousadia e malandragem.”

A oitava temporada também traz a chef gaúcha Helena Rizzo, 42, para o lugar da argentina Paola Carosella, 48, que por 13 temporadas -incluindo as versões amadores, profissionais e junior- participou da competição ao lado de Erick Jacquin, 56, e Henrique Fogaça, 47.

Nascida na cidade de Porto Alegre (RS), Helena Rizzo é proprietária do renomado Maní, que é a matriz de onde tudo começou em sua trajetória de sucesso, além dos restaurantes Manioca, a Casa Manioca e duas Padocas, todos em São Paulo.

Apesar do pouco tempo, a jurada já consegue mostrar o seu estilo, que mistura seriedade e bom astral. “Como chef, ao longo dos anos, sempre fui exigente, mas também sou gestora. Um clima agradável e alegre na cozinha faz as pessoas terem confiança. Quando tem espaço para brincar a gente brinca”, diz.

Assim como na última temporada, o programa contará com a participação de famosos que vão propor desafios aos competidores. Dentre eles os cantores Duda Beat, Naiara Azevedo, Fabiano Menotti e Diogo Nogueira e o ator Felipe Titto.

O retorno do antigo formato no qual o telespectador pode acompanhar toda a trajetória do cozinheiro é um ponto positivo na opinião dos chefs jurados. Eles contam que recebiam mensagens de pessoas com saudade de torcer. Em 2020, por causa da pandemia, a cada edição havia um campeão diferente.

“A temporada passada também foi legal, curti muito. Mas essa nova será a melhor de todas, pois tem muita novidade e ‘tômpero’. Os cozinheiros são muito bons e o jogo será mais forte”, avalia Jacquin. Apesar de amadores, todos eles passam por avaliações e só os melhores entram na competição.

Porém, se agora será mais fácil se apegar aos participantes, o mesmo não pode ser dito com relação aos jurados. Para eles, o ideal é tentar manter uma certa distância de cada competidor para que nada atrapalhe o julgamento.

“Procuro ver só o potencial de cada um. Eu não tenho preferência por candidatos, mas trabalhamos com sonhos. Eventualmente eu choro, mas não quer dizer que estou apegado”, reforça o durão Fogaça. Em um dos episódios, Ana Paula Padrão terá um ataque de choro.

Para poder ser realizada com segurança, a oitava temporada dos amadores terá equipe médica a postos para que todos os protocolos sejam seguidos. Cada pessoa que entra no estúdio é testada e isso se repete a cada quatro dias.

Pela primeira vez na história do programa, os participantes ficaram confinados em um hotel em São Paulo antes e durante as gravações com o objetivo de preservá-los.

A diretora Marisa Mestiço reitera que a ideia da Band foi promover uma volta às origens, mas com o propósito de nunca ficar parado. “Temos sempre muitos desafios. Nossa proposta é sempre atrair olhares do público para fazer uma entrega diferente a cada temporada. Pensamos em trazer os sotaques do país todo.”

EX-CHEFS MIRINS ESTÃO DE VOLTA

Os cozinheiros Daphne Sonnenschein e Eduardo Prado, ambos de 19 anos, estão de volta ao MasterChef Brasil nesta oitava temporada da versão amador, a partir desta terça-feira, 22h30, na Band. Para quem não se lembra, ambos participaram da versão júnior do reality, em 2015.

Na época com 13 anos, a paulistana Daphne se destacou em uma prova de empanadas. Na ocasião, a receita da adolescente acabou entrando no cardápio do La Guapa, restaurante da chef Paola Carosella. “Quero dar o meu melhor, tentar pelo menos fazer o que eu sei”, disse ela ao site da emissora.

A garota, que hoje também é skatista e surfista profissional, foi eliminada na sétima semana, mas seguiu firme e forte no propósito de evoluir em técnicas e ingredientes. Ela é adepta da gastronomia molecular e costuma mostrar pratos em suas redes sociais.

A cozinheira quer voltar a impressionar os jurados e diz que pretende estudar gastronomia depois da pandemia. “Sou muito exigente comigo mesma. Não fico frustrada quando não consigo entregar, mas sei que poderia ter feito melhor”, afirma ela.

O paulistano Eduardo ficou em quarto lugar na edição junior e agora, mais maduro, se diz pronto para levar o título. Atualmente, ele estuda administração e quer usar o curso para potencializar sua gastronomia e criar negócios a partir do gerenciamento de empresas.

“Quero fechar um ciclo que ficou incompleto por eu não ter ido até a final”, diz ele. Na época, o competidor foi eliminado nas quartas de final depois de alguns erros técnicos ao preparar profiteroles.

No tempo em que ficou fora dos holofotes, o jovem aperfeiçoou os estudos para voltar. “Nesses seis anos, estudei muito tanto com livros quanto com Youtube para aprimorar minhas técnicas e voltar e fazer o melhor possível. Não tinha conhecimento naquela época para executar com perfeição e estou em busca disso”, afirma.

Além dos dois, há mais 21 candidatos a levantar o troféu e a levar o prêmio de R$ 300 mil. Entre eles está a atriz Isabella Scherer, 25, filha do ex-nadador Fernando Scherer, 46, que já fez novelas na Globo, como “Bom Sucesso” (2019-2020) e “Malhação – Viva a Diferença” (2017-2018).