Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

Ministério da Saúde anuncia criação de banco nacional de genoma de brasileiros

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O Ministério da Saúde lançou nesta quarta-feira (14) um programa de medicina de precisão, cujo objetivo é criar um banco de dados nacional com 100 mil genomas de brasileiros para tentar antecipar o diagnóstico de doenças.

O programa Genomas Brasil (Programa Nacional de Genômica e Saúde de Precisão) foi lançado em evento no Palácio do Planalto, com a presença do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Oficialmente, porém, o programa existe desde 5 de agosto, quando foi publicada uma portaria no Diário Oficial da União.

O Ministério afirma que devem ser investidos R$ 600 milhões nos primeiros quatro anos do projeto.

“O programa aperfeiçoará o entendimento das variações genéticas típicas da população brasileira possibilitando, futuramente, o acesso a tratamentos personalizados no Sistema Único de Saúde (SUS). Dessa forma, será possível, por exemplo, identificar suscetibilidades do indivíduo em desenvolver determinadas doenças antes mesmo dos primeiros sintomas”, afirma o material de divulgação do ministério.

O banco de dados, argumenta a pasta, vai permitir compreender a relação entre os genes dos brasileiros e as doenças na população. Isso vai possibilitar diagnósticos mais precisos e a capacidade de prever e prevenir doenças, além de poder promover um tratamento individualizado com base na informação genética.

Serão sequenciados genes de portadores de doenças raras, cardíacas, câncer e infectocontagiosas, como a Covid-19.

“Para obter o máximo benefício, o programa reunirá experiência de grupos de pesquisas de excelência, distribuídos em diversos estados do Brasil e em diferentes instituições, como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), universidades públicas e institutos de pesquisas do governo federal.”

O Ministério da Saúde informa que o projeto é inspirado no 100.000 Genomas do Reino Unido, iniciado em 2012.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS)