O que propõe O Programa Alimentar Funcional?

O Programa Alimentar Funcional, como o nome sugere, tem a função de corrigir alguns costumes, de equilibrar o organismo. O ajuste nos hábitos alimentares são feitos nas quantidades e não na qualidade, que é preservada. Sendo assim, trata-se de um cardápio que supre carências, elimina excessos e intensifica bons hábitos à mesa. A dieta propõe também melhorar a qualidade do paladar, e em alguns casos resgatá-lo, já que a sensação gustativa com o tempo pode ser modificada pelos alimentos industrializados, com aditivos químicos, corantes, substâncias que realçam o sabor (como o glutamato monossódico), excesso de sódio, de gorduras saturadas e trans.Além da perda de peso, essa dieta traz mais saúde, alívio dos os sintomas da TPM e redução da retenção de líquidos. Evita o envelhecimento precoce e ainda protege contra os danos do stress, dos radicais livres e da poluição. Faz parte da dieta funcional o consumo de alimentos orgânicos e a redução drástica de bebida alcoólica e itens industrializados, assim como os alimentos que contém glúten e os laticínios (que não devem ser eliminados, apenas reduzidos). O uso de adoçante não é recomendável, a proposta desse programa alimentar é utilizar o açúcar das frutas, por exemplo, fazer o suco com a fruta pura sem água e sem açúcar.

Faz parte do estatuto da dieta ingerir todos os dias vegetais variados, principalmente os antioxidantes e desintoxicantes como cenoura, laranja, uva preta, granberry, castanha-do-pará, fibras solúveis e insolúveis, alimentos ricos em ômega 3 (aveia, linhaça, gergelim), gorduras monoinsaturada (azeite extra virgem, abacate e nozes), além de prebióticos (banana, cebola, alho, alcachofra, aspargos, beterraba, tomate) e probióticos (leite fermentado). A dieta funcional promove uma perda de peso gradativa e lenta, já que não faz restrição calórica severa, e por isso o emagrecimento se dá pelo equilíbrio do corpo. Os grupos dos alimentos para cada refeição são importantes, por exemplo, o almoço não deve ser trocado por um lanche. O tempo e o ritual da alimentação também devem ser levados em conta. Faz parte do sucesso da dieta saborear o prato, gostar do que esta comendo, reservar um tempo para se alimentar e não pular refeições. O principal objetivo desta dieta é fazer uma mudança de hábitos permanente.

Como é feita?

A dieta deve ser dividida em seis refeições: as três principais (café da manhã, almoço e jantar) e os três lanches (manhã, tarde e ceia). Sendo que o objetivo principal é controlar as quantidades para não extrapolar as calorias e variar os itens, sempre. Não consumir todos os dias a mesma coisa, variar as frutas, os vegetais, as proteínas, afinal são muitas opções, basta consumir em dias alternados. No café da manhã é indicado suco natural de frutas (sem água e sem açúcar), chá, frutas (morango, cereja, amora, laranja, lima da Pérsia, mamão, abacate), queijos magros (ricota, cottage e Minas frescal light), fibras provenientes de aveia, linhaça, gergelim e pão integral; além de iogurte e ovo.

É recomendado um lanche nos intervalos das refeições, que pode ser uma fruta, castanha-do-pará (por ser rica em selênio que é antioxidante), chás, frutas secas (damasco, ameixa ou uva passa) suco natural ou outras oleaginosas como nozes, amêndoas e castanha de caju. No almoço e jantar mais de um tipo de vegetal é recomendado, pode ser cru ou cozido. Folhas verde escuro, como couve, brócolis, manjericão e agrião, são liberadas. Arroz integral e algum grão (ervilha, lentilha, grão-de-bico, feijão preto, feijão branco) é rotina, devem ser consumidos todos os dias. E uma proteína de preferência magra ou rica em ômega 3, como salmão e sardinha, completa o prato. Mas frango também pode fazer parte da refeição, carne vermelha é melhor que seja raramente. O almoço pode ter sobremesa de fruta, frutas secas ou 30 g de chocolate amargo (que equivale a um pedaço pequeno ou um bombom) – esse último para quem não dispensa um doce, mas também não deve ser todo dia.

Promessa

A perda é de 500 gramas por semana, em média. Mas pode acontecer uma perda maior, pois ao contrário das outras dietas, a perda não estaciona, o peso é reduzido constantemente, na proporção da disciplina – quanto mais se come certo e em quantidades reguladas, maior a chance de baixar o ponteiro da balança.

Contraindicação

Não há contra-indicação para esta dieta, qualquer pessoa pode (e deve!) seguir. O alerta aqui é apenas em relação à redução de quantidades, que deve ser de forma lenta e gradativa, principalmente para quem tem o hábito de exagerar.

 

 

ERIKA NÓBREGA

Nutricionista Funcional

[email protected]

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp