Previous
Next
Previous
Next

Objeto luminoso visto no Pará é reentrada de lixo espacial

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

No início da noite dessa terça, 16 de março, uma bola de fogo cruzou os céus no norte do país e foi vista de diversas localidades do Pará e do Ceará. A Rede Brasileira de Observação de Meteoros (BRAMON) analisou o caso e informou tratar-se da reentrada de lixo espacial.

A BRAMON coletou diversos relatos a partir das redes sociais e da sua ferramenta de reporte de bólidos, dando conta do avistamento de uma bola de fogo nos céus do Pará. Diversas imagens publicadas nas redes sociais registraram o fenômeno, além de dois vídeos em câmeras do Clima ao Vivo, uma em Belém do Pará, e outra em Fortaleza, no Ceará. Os testemunhos se concentraram na região metropolitana de Belém, onde boa parte do objeto se desintegrou. Porém, houveram também relatos vindos do estado do Ceará, a mais de 800 quilômetros de distância. Confira algumas imagens:

Baseado nos relatos e nas imagens, a BRAMON concluiu tratar-se da reentrada de lixo espacial e identificou um objeto que possivelmente é o que causou a bola de fogo observada no norte do país. Trata-se do objeto de identificação NORAD 33058. Seus dados orbitais indicavam um perigeu já muito baixo em sua última passagem observada na manhã dessa terça, 16. E no momento em que o fenômeno foi observado em Belém, ele deveria estar passando muito próximo ao local.

Esse objeto é uma uma parte do foguete francês Ariane 5, instalado na coifa, onde é colocada a carga útil do foguete. A peça interna, chamada de Sylda, permite o lançamento de dois satélites na mesma missão, pois separa as duas cargas dentro do compartimento e dispensa os satélites na órbita. Esta específica foi lançada a partir da Guiana Francesa em 12 de Junho de 2008.

Após fazer seu trabalho, ela foi descartada e ficou orbitando o planeta por mais de uma década. Sua órbita o levava a mais de 3 mil quilômetros de distância da Terra no apogeu, o ponto mais distante. Porém, em sua última passagem, seu perigeu foi calculado em apenas 186 quilômetros da superfície terrestre. Nessa altitude, a atmosfera da Terra é muito rarefeita, mas já impõe certo arrasto ao objeto em órbita, o que provavelmente o levou a perder mais altitude até reentrar na atmosfera da Terra no início da noite dessa terça (16).

Em suas análises preliminares a BRAMON mediu um trecho de 845 km em que o objeto levou 118 segundos para percorrer, indicando uma velocidade de 25,8 mil km/h, o que é compatível com a velocidade de reentrada de um objeto em órbita da Terra.