Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next
Previous
Next

OPERAÇÃO CARTOLA- Futebol Paraibano vai ao banco dos réus nesta quarta-feira no STJD

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

O futebol da Paraíba mais uma vez será o centro das atenções nesta quarta-feira, dia 24. Não pelos belíssimos jogadores, belas jogadas e dificuldades encontradas por muitos que fazem este seguimento no Estado, mas sim por escândalos de corrupção, manipulação de resultados, benefícios próprios e outros atos que afrontam a legalidade deste esporte em âmbito local, estadual, nacional e internacional.

São cartolas, ex-dirigentes, árbitros, assistentes e ex-integrantes da Federação Paraibana de Futebol que estarão em julgamento por terem contrariado o Estatuto do Torcedor, as normas da Federação Internacional de Futebol (Fifa), a Confederação Brasileira de Futebol – CBF e o Código Brasileiro de Justiça Desportiva – CBJD.

Neste contexto estão o empresário Breno Morais, dirigente destituído do Botafogo-PB por determinação judicial; Amadeu Rodrigues da Silva Júnior, ex-presidente da Federação Paraibana de Futebol; José Renato, ex-presidente da Comissão Estadual de Arbitragem; Genildo Januário, ex-presidente do Sindicato dos Árbitros do Estado da Paraíba; José Araújo da Penha, ex-integrante do Departamento Técnico da FPF, dentre outros. No total são 17 pessoas que deverão ser banidas do futebol.

O julgamento está programado para as 14h30 desta quarta-feira, dia 24, no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro, em sua 3ª Comissão Disciplinar. Os envolvidos foram indiciados após investigação da Polícia Civil e Ministério Público Estadual, numa Operação denominada “Cartola”, que ainda apura a manipulação de resultados no futebol estadual. Todos estão incursos em vários artigos penais e desportivos.

Nos autos processuais, farta documentação apontando a manipulação de resultados e a compra de árbitros para beneficiar equipes, principalmente Treze, Campinense e Botafogo. Telefones dos acusados foram grampeados por determinação da Justiça que descobriu conversas dos dirigentes com árbitros escalados para os jogos, bem como diálogos com o ex-presidente da FPF, Amadeu Rodrigues Júnior.

Breno Morais, empresário, Zezinho do Botafogo (ex-presidente do Belo), William Simões (ex-presidente do Campinense Clube), dentre outras pessoas cumprem medidas cautelares pela Justiça e estão impedidos de saírem dos municípios em que residem, salvos por ordem judicial. O julgamento na tarde desta quarta-feira no STJD não tem hora para terminar.

blogdojornalistamarcoslima