Previous
Next
Previous
Next

Procuradoria analisa possíveis manipulações de resultados de jogos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

A procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol da Paraíba continua analisando as denúncias relacionadas às possíveis manipulações de resultados de jogos e irregularidade do atacante Jô Boy. O atacante teria vestido a camisa do Sousa nas disputas do Campeonato Paraibano, sem ter cumprido uma punição por expulsão.

Segundo informações da secretária do TJDF-PB, Augusta Mariz, os dois processos estão com a procuradoria que deve se pronunciar dentro do prazo, seguindo os trâmites legais, como manda a legislação esportiva. A manipulação de resultados denunciada pelo presidente do Sousa, Aldeone Abrantes, teria acontecido na partida Sousa 1×0 Sport/LS, no estádio Amigão, na segunda rodada do Campeonato Paraibano.

Já a denúncia sobre a possível irregularidade do atacante Jô Boy foi feita pelo Nacional de Patos. O jogador foi expulso quando atuava pelo São Paulo, no ano passado, na Segunda Divisão. Depois, Jô Boy foi julgado e punido por uma partida pelo TJDF-PB e teria que cumprir a partida no Campeonato Paraibano deste ano, o que não aconteceu.

Agora, o Nacional, com base na legislação solicita a retirada de seis pontos do Sousa, que venceu a partida na ocasião que utilizou o atacante. O Sousa, ao tomar conhecimento da denúncia, começou a preparar sua defesa e o presidente do clube sertanejo, Aldeone Abrantes, garante que o time não será punido.

Outra denúncia

Um caso parecido com esse, envolvendo o Sousa, acaba de surgir tendo como acusado o CSP. O time de João Pessoa teria escalado o atacante Negueba, que não estaria em condição de jogo nas disputas do Campeonato Paraibano. “Temos quer enxergar as coisas por todos os ângulos”, limitou-se a dizer o presidente do CSP, Josivaldo Alves em contato com a reportagem.

No tapetão

O argumento do Sousa na sua defesa será o de que a punição está relacionada com outra competição e não o Campeonato Paraibano.

*Texto de Franco Ferreira, do Jornal Correio