Previous
Next
Previous
Next

Recontagem aponta numero exato de detentos que fugiram do PB1 após ataque

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma recontagem realizada durante toda a manhã e divulgada no início da tarde desta segunda-feira (10) apontou que 92 presos fugiram da Penitenciária de Segurança Máxima Dr. Romeu Gonçalves de Abrantes, o PB1, após ação de um grupo criminoso durante a madrugada. O número inicialmente divulgado era de 105 foragidos.

Em coletiva realizada na Secretaria da Administração Penitenciária (Seap), as forças de segurança da Paraíba confirmaram o emprego de mais de 1 mil policiais militares e civis, que reforçam as diligências relativas à recaptura de detentos foragidos.

Até às 16h, além dos 41 fugitivos que haviam sido capturados pela manhã, o Portal T5 confirmou que um outro acabou sendo baleado durante troca de tiros com a polícia, e mais dois foram capturados no bairro de Manaíra pelo Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil.

O caso

De acordo com o tenente coronel Sérgio Fonseca de Souza, secretário de Administração Penitenciária do Estado, a ação criminosa teve como alvo o resgate dos detentos Romário Gomes da Silveira, conhecido como “Romarinho”, Ivanilson Pereira de Macedo e Antônio Arcênio de Andrade Neto, todos suspeitos de assalto e explosão a carro-forte e presos pela Polícia Militar da Paraíba no dia 6 de agosto deste ano, na cidade de Lucena.

“O que aconteceu no PB 1 foi uma ação pontual. O objetivo principal foi resgatar Romarinho, chefe do grupo criminoso. A incursão dos homens que efetuaram o resgate na unidade prisional aconteceu com uso de armamento de calibre restrito, como fuzil 556 e 762 e .50, explosivos, além alicates para retirada dos cadeados que davam acesso à cela, no Pavilhão 2. O preso Livaci Muniz da Silva, também envolvido na ocorrência em Lucena, não foi resgatado”, disse o secretário, reforçando que Romarinho já foi preso duas vezes na Paraíba e será preso novamente.

O tenente coronel Sérgio Fonseca de Souza ainda informou que os alicates utilizados para a fuga de Romário, Ivanilson e Antônio foram usados por outros presos do PB1, que violaram cadeados e fugiram a pé pela mata.

t5