Previous
Next
Previous
Next

Remédio contra o HIV pode ser usado para tratar Alzheimer e doenças ligadas ao envelhecimento, diz estudo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp

Um novo estudo publicado na revista “Nature” aponta que um medicamento usado no tratamento de HIV reduz significativamente a inflamação relacionada à idade e outros sinais de envelhecimento em camundongos.

“É promissor no tratamento de desordens associadas à idade, incluindo a doença de Alzheimer”, disse John Sedivy, principal autor do estudo e professor da Universidade Brown. “E não apenas a doença de Alzheimer, mas muitas outras doenças: diabetes tipo 2, Parkinson, degeneração macular e artrite. Esse é o nosso objetivo”.

A inflamação relacionada ao envelhecimento é um componente importante das doenças que afetam as pessoas a partir da maturidade.

Os pesquisadores descobriram como acontecem as inflamações em células velhas (células que não se dividem mais). Sequência de DNA capazes de se replicar e de se mover para outros lugares são comuns no genoma humano e nossas células evoluíram para controlar esse “genes saltadores”, mas conforme envelhecem, uma sequência específica, conhecida como L1, podem “escapar” deste controle.

No novo estudo, a equipe de pesquisa mostrou que a replicação das cópias de DNA de L1 é detectada por uma resposta imune antiviral, que desencadeia a inflamação nas células vizinhas.

Como acontece a inflamação:
as sequências de DNA L1 escapam do controle em células velhas e começam a se replicar
a replicação descontrolada destas sequências de DNA desencadeia uma resposta do sistema imunológico
a resposta imune é a inflamação das células vizinhas
Entendendo isso, a equipe descobriu o mecanismo potencial através do qual esses genes saltadores podem causar inflamação celular sem necessariamente causar danos ao genoma.

A relação com o HIV
As sequências de DNA L1 precisam de uma proteína específica chamada transcriptase reversa para se replicar. O HIV e outros retrovírus também precisam da mesma proteína da transcriptase reversa para se replicar e aí é que entra o papel dos medicamentos para HIV.

O AZT, o primeiro medicamento desenvolvido para tratar o HIV/AIDS, interrompe a transcriptase reversa do HIV. Os atuais coquetéis multi-medicamentosos usados ​​para tratar ou prevenir o HIV/AIDS ainda contêm inibidores específicos da transcriptase reversa.

Sedivy e seus colegas pensaram que este tipo de medicamento poderia impedir a replicação do L1 e assim prevenir a resposta imune que causa a inflamação.

Como o medicamento atuou:
as “cópias” do L1 criadas a partir da replicação descontrolada precisam da proteína transcriptase reversa (a mesma necessária no vírus HIV e outros retrovírus) para se multiplicar
o medicamento contra o HIV inibe a ação da transcriptase reversa
sem a transcriptase reversa, as cópias do L1 não conseguiram se replicar da mesma forma e a inflamação diminui
Remédio genérico se destacou
A equipe testou seis diferentes inibidores da transcriptase reversa do HIV para verificar se eles poderiam bloquear a atividade de L1 e sua replicação descontrolada. Uma droga genérica contra o HIV, a lamivudina, destacou-se por sua atividade e baixos efeitos colaterais.

G1