Anterior
Próximo
Anterior
Próximo

Justiça recebe denúncia e empresário vira réu por morte do motoboy Kelton Marques, em João Pessoa

A Justiça da Paraíba recebeu denúncia do Ministério Público do Estado e tornou réu o empresário Ruan Ferreira de Oliveira, acusado da morte do motoboy Kelton Marques, de 33 anos, fato ocorrido após batida na Avenida Governador Flávio Ribeiro Coutinho (Retão de Manaíra), na Zona Leste de João Pessoa, em setembro de 2021.

A decisão pelo recebimento da denúncia, que foi emitida na última quinta-feira (21) pela juíza Francilucy Rejane de Sousa Mota, diz que ela contém a exposição do fato criminoso, com todas as suas circunstâncias, a qualificação do acusado, a classificação do crime e rol de testemunhas, havendo, portanto, requisitos suficientes para a acusação.

A decisão judicial também aceitou um pedido da defesa do acusado para restituição de itens dele que haviam sido apreendidos. Os bens são o automóvel Voyage de cor prata envolvido na colisão, um IPhone X preto, uma câmera fotográfica, uma caixa de som, uma carteira com todos os documentos do réu e uma mala de roupas.

Ruan Ferreira de Oliveira está foragido desde a época do crime. O Portal Correio tentou falar com a defesa do réu, mas não foi possível se estabelecer contato até a publicação desta mataria.

Relembre o caso

Câmeras de segurança da área captaram o momento que Kelton seguia em velocidade normal pela Avenida Miriam Barreto Rabêlo, mas ao atravessar o sinal verde no cruzamento com o Retão de Manaíra, foi atingido por um carro em alta velocidade.

Com o impacto, a moto ficou completamente destruída. O carro se chocou com o muro de um condomínio e ficou parcialmente danificado.

De acordo com a polícia, havia latas de cerveja vazias e maconha dentro do automóvel.

No dia 13 de setembro, o primeiro advogado contratado por Ruan Ferreira de Oliveira falou à Rede Correio Sat que o cliente iria se entregar e que ele a família estavam recebendo ameaças.

A apresentação voluntária à polícia não ocorreu e um novo advogado assumiu o caso cerca de uma semana depois.

portalcorreio